Ode a ti

Há dias em que penso que não te conheço, que nunca te cheguei a conhecer. Dias em que me esqueço do teu rosto e da tua voz, e daquele abraço que nunca existiu mas eu conseguia sentir. Dias, em que o Mundo se sobrepôs a nós, em que deixámos as coisas andar e não quisemos perceber e encarar a verdade: não está tudo bem, não é a mesma coisa, não somos iguais ao que éramos à 3 anos atrás.

 

E doí, e aperta o peito imaginar que isto possa ser o princípio do fim. E doí tanto, oh se doí, pensar em todas as promessas que não chegaram a ser cumpridas.

 

Faz-me falta acordar com um suave bom dia, com aquela dose de força e alento matinal, faz-me falta o carinho e a preocupação, faz-me falta sentir que precisavas de mim, que eu também o teu refúgio da vida que tinhas sempre ao teu lado.

 

Há muito sei que não posso confiar em mim, naquilo que sinto, nos meus estranhos pressentimentos, nos meus exageros, mas é tão forte às vezes o medo que se instala, a sensação de falta de controlo, a impotência.

 

 

Saudades de ti, e daquilo que nunca chegámos a dar um ao outro.

publicado por Rita Matias às 01:07 | link do post