hugs & kisses

Talvez o medo me tenha fechado e transformado, e agora, já não sei o que sinto. Tenho gradualmente curado essa febre que tu me deste. Mas eu quero estar doente, num bom modo, como febre que apenas indica que o corpo luta, como febre que nos diz que estamos vivos, como febre que no fim de contas, cura.

 

E essa febre que me deu, aos poucos desvanece-se.

 

 

 

Mesmo assim, gosto de ti, adoro-te, sim, mesmo sozinha e sem resposta, mesmo que não saibas nada do que sinto, mesmo que eu seja vulgar aos teus olhos, sim, adoro-te, gosto de ti.

 

E inexplicavelmente, estou bem-disposta.

publicado por Rita Matias às 23:15 | link do post | comentar