Revelações

Os últimos dias têm sido de festa, e, talvez pelo convívio com tanta gente, novas visões e realidades revelaram-se.

 

Casamento.

Actualmente, cada vez mais se associa o casamento a uma prisão, a uma cerimónia que apenas serve para acalmar as almas mais antiquadas, e em nada altera o estado de uma relação. Bem, é provável que tudo nesta visão tenha um pouco de realidade, mas, devemos ser assim tão radicais? Cá para mim o problema está mesmo nas pessoas, porque há muito esqueceram-se do que realmente é o casamento - um compromisso. Não só de fidelidade, mas acima de tudo de entrega, paixão e amor, de sacrifício, de estar disposto e desejar querer passar o resto dos seus dias com uma pessoa. É provável que para isto não seja necessário uma festa, concordo, mas também porque não pode haver festa? Somos livres, mas gostamos é de fazer criticas livremente não do conceito de que todos temos a nossa liberdade.

 

Coragem vs Amor

Costumo dizer que amar é fácil, as pessoas é que complicam e que basta querer, e aqueles que são mais entendidos nestes assuntos dizem sempre que "não é bem assim". Provavelmente eles estão mais certos do que eu, mas também sei que tenho a minha quota parte de razão. Os Homens têm tendência a sobrevalorizar o mesquinho e a relativizar o importante, e isso leva a conflitos, muitas vezes exponenciados pela raiva contida que se acumula com aqueles pequenos tiques que todos temos e tanto nos irritam.

Ou seja, temos tendência para esquecermos o essencial e complicarmos uma coisa tão simples como é o amor: ou eu gosto de ti de uma forma durável, responsável e consciente, ou não.

Mas aquilo que me leva a dar a mão à palmatória foi uma constatação que tive nos últimos dias. É preciso coragem para amar, não porque amar seja complicado, mas porque amar pode ser finito. No inicio é sempre necessária alguma dose de coragem, mas penso que é sobretudo a adrenalina da paixão que nos encaminha para aquela entrega quase total (porque ninguém pode inteiramente entregar-se a alguém). O fim já não é assim... Aqui a verdadeira coragem fala mais alto e tem-se de admitir que falhou, dizer as verdades que ocupam o nosso pensamento, e não esquecer de reconhecer a nossa parte do processo, por muito desastroso que tenha sido.

Mais uma vez aponto com tristeza o facilitismo em que vivemos e queremos viver, onde é mais fácil ter aqui uma relação, ali outra, saltitando e buscando algo que há muito está idealizado e distorcido por filmes, séries e novelas, porque a realidade é sempre mais difícil do que esperamos...

publicado por Rita Matias às 20:31 | link do post