palavras soltas

Estou aqui por estar. Não tenho uma razão em especial, talvez apenas queira escrever um pouco.

Olho a volta e sinto que as coisas estão a piorar, o país está a piorar, principalmente a economia está a piorar. Temo as consequências disto. Depois vem o Papa e o país rejubila. Os milhões gastos com a sua vinda são em tudo exagerados, e a primeira pessoa a os impedir devia de ser o próprio Papa, essa é a igreja em que eu acredito, não a que fecha aos olhos à realidade e aceita tudo o que lhe dão.

Depois aumentam os impostos e o povo lixa-se.

Tenho medo do futuro. Por mim, pelos meus pais, pelos meus amigos.

E o pior é sentir que eu não aproveito, que me ponho a sombra da bananeira e não estudo nem lutou, que fico impotente.

Mas a vida não tem sido só desgraças, sinto-me bem por incrível que pareça. Sinto que me encaixo no mundo onde estou, tenho tido bons momentos com aqueles que me rodeiam, e por vezes chego a esquecer que estou longe de casa, que a distância se instalou entre mim e alguns, que as saudades apertam. Sinto que as pessoas até gostam de mim, que me acolhem de braços abertos e isso ajuda tanto!

Para além disso consegui estar com a Di, o que foi optimo. Só gostava que ocasiões destas não fossem tão raras.

Com o passar dos anos vamos juntando pessoas, num lista interminável que nos preenche o espírito e o coração. Eu não quero perder ninguém, porque a vida só vale a pena assim, com todos.

Terminando, o exames estão há porta. É incrível como o tempo voa. Há um ano atrás estava a bater com a cabeça nas paredes, tentando decidir o que fazer da vida, e agora estou ainda a tentar perceber se fiz a escolha certa. Nem sei que diga...

publicado por Rita Matias às 17:01 | link do post | comentar