3, a conta que Deus fez

  Porquê 3? Boa pergunta!

 

  Porque decidi vir desabafar um pouco e constatei a ligação de várias coisa com o número em questão.

  Primeiro faltam três semanas para acabar o secundário (sim, mesmo com zero nos exames acho que passo...). TRÊS SEMANAS!!! Ainda não entrei em pânico, mas estou quase. Este ano passou demasiado depressa, demasiado a correr. Parece que foi ontem que dancei com a minha prima Mafalda na passagem de ano, assistindo aos desequilíbrios da nossa prima Inês, ou o Baile de Finalista da Maphaz, ou o meu baile, ou a viagem, ou o Gardunha... Sinto que tenho três semanas para aproveitar ao máximo a companhia diária dos meus amigos, três semanas até a revolução começar.

 

  Segundo, já passaram 3 meses. Temos saudades suas Stora, tantas que nem imagina. E sempre que olho para a Bárbara ou o Eduardo eu lembro-me de você. Ou para o seu carro, que eu reconhecia sempre porque a matrícula é AA, ou quando passo na sua casa. Você faz-nos falta, muita. De momento estamos todos um pouco desorientados, com os exames a porta, e não só, com tudo o que acontece a nossa volta. Acho que não há um dia em que não encontre algo que me lembre de si. Ainda do outro dia a Di veio com uma sabrinas que faziam praticamente o mesmo barulho dos seus saltos altos. Ou quando começámos a dar a Trigonometria, como você achava-a maravilhosa. Se visse as nossas notas saberia do que estou a falar, nos não estamos preparados, e, por muito boa pessoa que a nossa actual professora seja, não é a mesma coisa, não há o mesmo a vontade, nem a mesma comunicação. Se nós nos sentimos assim, como sentiram os pequenos?

  Nós temos tentado, nos escuteiros digo. Confesso que tenho algum medo que eles se percam na adolescência, mas se Deus quiser são receios infundados. E por último apenas lhe volto a dizer aquilo que nós várias vezes dizemos, mas nunca com todo o valor que palavra merece - obrigado, por tudo. Adoramo-la.

 

  E por último o trio cá de casa. Simplesmente não tenho palavras, vou sentir demasiado a falta deles daqui a uns meses que o melhor é tentar não sofrer por antecipação.

 

 

 

 

  Mas no meio disto tudo até ando contente. Estou gradualmente a retomar a minha boa disposição e fé. Estou a subir, lentamente, até ao próximo pico.

publicado por Rita Matias às 22:44 | link do post | comentar