A Rita acha que é uma baldas

Sim, este estaminé anda pelas ruas da amargura... Além disso faltei ao primeiro dia de aulas (eram só teóricas, antes de um feriado nacional ...). Sinto-me uma baldas e sinto-me bem!

 

Depois deste começo promisssor (ou não...), vamos ao que interessa. Mas o que interessa? Verdadeiramente, não há nada de interessante a dizer. Talvez que esteja com um pouco de medo de estar a perder um pouco do meu antigo eu, daquele que quer Oleiros acima de tudo, para querer ir para Lisboa estar com a malta, porque só percebi a falta que eles me fizeram quando estivemos juntos a semana passada, e porque gosto imenso daquela gente. Ir para Lisboa para as aulas está a tornar-se um mero pretexto para os ver.

 

Acho que o problema é que aqui nunca vejo aqueles que quero ver, e lá, estamos todos perto. O problema é que aqui há sempre tantos factores e tantas coisas a considerar, e lá é mais simples. Tenho saudade da minha malta, das meninas, dos seus risos e sorrisos, de sentir que estava no meu paraíso na terra quando estava com esta gente.

 

Bem, este discurso está a ficar um pouco confuso, portanto, vamos resumir. Gosto de todos os meus amigos, tenho saudades de todos, quero estar com todos, mas a vida não é justa. Tenho dito.

publicado por Rita Matias às 13:15 | link do post | comentar