O seu limite será sempre mais infinito...

  As palavras não conseguem transmitir os sentimentos, nem resumir as pessoas. Existem infinitas para descrever a Professora Júlia.

  Mas, quando penso nela, falo em nome de todos aqueles que são e foram seus alunos ao destacar a palavra orgulho.
  Bastava um olhar dela para perceber o quanto amava a sua profissão, o carinho que tinha pelos seus alunos, a alegria de nos ver crescer e vencer.
  Para nós ela era um exemplo como professora e sobretudo como pessoa.
  Exigente, incentivava-nos sempre a dar o nosso melhor. Quando algo corria mal ela era aquela que tinha fé em nós e nas nossas capacidades. E que depois, quando os obstáculos eram superados, presenteava-nos com o seu melhor sorriso.
  Cada conquista nossa era uma conquista sua. Orgulhava-se em ser nossa Professora, e nós em sermos seus alunos.
  Além de professora, era uma amiga e é um exemplo. A sua energia contagiante e a paixão pela Matemática davam-nos alento. A paciência por vezes não chegava, mas era rara a aula sem uma gargalhada. E aos poucos íamo-nos conhecendo, descobrindo fragmentos da vida de cada um.
  De vez enquanto um pormenor era descoberto, saltando à vista o seu amor pela família, o apreço pelos colegas e amigos, o orgulho por todos os jovens que passaram por ela ao longo dos anos.
  Há pessoas que nos marcam para a vida, a Professora Júlia foi uma delas. É com orgulho que podemos afirmar ter sido seus alunos, e é com orgulho que a recordaremos.
  A morte leva-nos as pessoas que amamos e que nos amam, ficam as boas recordações. Elas são tudo o que nos resta.
  Por isso, basta-nos guardar os bons momentos, memorizar o tom da sua voz e do seu riso, o som dos saltos altos a anunciar a sua chegada, o sorriso e o olhar com que nos brindavam todos os dias, orgulho que ela tinha por nós, e o nosso por poder tê-la como professora, para mantermos viva em cada um de nós a fantástica pessoa que ela era.
 
  Demasiadas palavras ficam por dizer, demasiadas deviam ser ouvidas mais vezes.
 
 
 
  Obrigado Stora, por tudo. O seu limite será sempre para mais infinito.
publicado por Rita Matias às 23:38 | link do post | comentar