Morto cobrido de amor

Crónica de António Lobo Antunes na Visão.

 

Porquê a referência? Porque invejo exactamente o mesmo e muito mais.

 

Invejo a sua força e talento, a sua naturalidade com as palavras.

Invejo-o a ele e aos poetas.

Invejo qualquer pessoa que una duas palavras. E que saiba o que faz.

Invejo, porque não ter aquilo que ele tem, um propósito.

sinto-me: longe, muito longe
tags:
publicado por Rita Matias às 21:31 | link do post | comentar